Quinta-feira, 24 de Março de 2011

Cavacommando

 

Muito se escreveu sobre as estrepitosas palavras de Arnold...perdão, Aníbal (Cavaco Silva) na ocasião do 50º aniversário do início da grande carnificina colonial portuguesa. É sabido que o franzino Aníbal, como o seu corpulento gémeo austro-norte-americano, Arnold, é um duro homo politicus conservador, de acção e de poucas palavras. O seu legado não se pode medir pela qualidade da dicção e da oratória, mas pelos danos causados: pescoços quebrados; frotas pesqueiras abatidas; estradas pavimentadas e pavimentos encharcados de sangue.

O que os pacíficos e intelectuais comentadores de esquerda que se escandalizaram com o sermão de Cavaco aos jovens - via veteranos da Guerra - não compreenderam, é que Aníbal é um herói de acção antiquado; uma estrela que vive dos êxitos de bilheteira do passado que, não fosse a visceral e ainda operante nostalgia do bom povo estaria arrumado num canto recôndito na prateleira dos vhs onde, aliás, deveriam constar monstros sagrados congéneres como Mário Soares, Jorge Sampaio, Ramalho Eanes e os seus sósias de Hollywood - Sylvester Stallone, Steven Seagal e Jean-Claude Van Damme, respectivamente.

Mas, descrevendo uma trajectória contrária a Arnold, que encontrou na política um lugar acolhedor para gozar a sua merecida reforma, acabará, Aníbal, os seus dias a esteróides anabolizantes e a malhar no ginásio, numa insólita e tardia carreira de culturista?         

Quarta-feira, 23 de Março de 2011

A sombra da precariedade - CTRL+ALT+DEL - a precariedade ao sol.

ma sociedade que se autoriza a manter num dia radiante de sol centenas de seres no verão da vida enclausurados sob um inverno neo-taylorista de produção pela produção; de luzes artificiais; de ares-condicionados; de turnos; de supervisores; de coordenadores e de controladores, merece que se ergam por entre os pêlos do seu bigode patriarcal todo o tipo de criaturas que, não obstante (e por) se alimentarem de poucas migalhas do bolo que diariamente fabricam, perderam todas as ilusões e esperanças quanto às virtudes abstractas com que o sistema de racionamento da miséria e da fortuna se auto-alavanca, catapulta e segura; já para não falar do desprezo absoluto pela «ética do trabalho» que os senhores do mundo reinventam à séculos para conservar cada uma das variedades de exploração que a cada momento da história lhes parecem necessárias para manterem nas suas mãos a faca e o queijo das relações sociais.

Contra o chicote «ética do/no trabalho» a arma «ética da/na preguiça»: fazer do nosso «tempo livre» e do nosso «tempo cativo» um tempo total de disrupção - uma arma de fogo -, isto é, fazer um uso empenhado do ócio e um uso ocioso do trabalho. Quando soubermos descansar e trabalhar como queremos (como podemos e devemos), quer dizer, contra a lei que regula que devemos descansar para poder trabalhar e trabalhar para poder repousar, estaremos em condições de afirmar que eles reinam mas não (nos) governam.

Contudo, a tarefa que hoje urge cumprir não é projectar no vazio um paraíso perdido (primitivo/futurista) a haver no fim da civilização do trabalho mas assegurar, desde já, um inferno duradouro aos zelosos funcionários, propagandistas e ideólogos da insuportável perpetuação dos seus últimos dias.

Espatifar a escora que firma o sistema é, em primeiro lugar, e desde o ponto de vista dos que têm de trabalhar para sobreviver (ou sobreviver apesar de não terem posto de trabalho), uma destruição que vem de dentro para fora e que volta à origem; uma consciência que se constrói pela negação, a cada conquista dos momentos e processos destrutivos e desconstrutivos e que regressa ao âmago subjectivo dos que se querem libertar, cada vez mais clara e objectiva. Este fluxo/refluxo construtivo-destrutivo, próprio do acto criativo, não é mais do que o próprio sistema respiratório da revolta, a lenta mas decidida formulação de uma consciência de classe; de uma força emancipatória e revolucionária:  quanto mais espaço e tempo conquistarmos para respirar fundo, isto é, quanto maior for o distanciamento critico e fisiológico conseguido face ao ciclo ininterrupto e tautológico do trabalho e do capital no qual estamos emaranhados, mais perto estaremos da libertação almejada, que é o rompimento derradeiro com a mercadoria e o espectáculo.

Assim, enquanto o capitalismo se entretém com a ofegante gestão dos seus exércitos de desempregados, empregados e precários, com os gráficos dos lucros e, sobretudo, com a descoberta de novos e sofisticadíssimos métodos de manter a força de trabalho motivada e ordeira,  ocupar-nos-emos - qualquer que seja o nosso posto de não-trabalho -  de longos e relaxados exercícios de respiração, através do quais recuperaremos das entorses que o modo de produção capitalista provoca nos nossos espíritos e nos nossos corpos e nos prepararemos para as batalhas do quotidiano.

 

   

Vincent Van Gogh

La sieste (d'après Millet)

1889-1890

 

Júlio Pomar

Gadanheiro

1945

 

 

engatilhado por Semeador de Favas às 21:57
link do post | deposite aqui a sua esmola | adoptar este post
Terça-feira, 15 de Março de 2011

EUROSFERATU: uma Sinfonia de Horror.

engatilhado por Semeador de Favas às 22:45
link do post | deposite aqui a sua esmola | adoptar este post

Vídeo de Zé Sócrates dirigindo-se (dia 14 de Março de 2011) aos trabalhadores (desempregados, empregados e precários), estudantes, reformados e pensionistas do país.

 

cortesia da RTP.

engatilhado por Semeador de Favas às 19:22
link do post | deposite aqui a sua esmola | adoptar este post

.Nós

.Memorabilia

. Junho 2013

. Maio 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

.Engrenagens

.Poltergeist

. Sentimento Objectivo de E...

. O Silêncio dos Inocentes

. C'era una volta il Italia...

. Troika Punks Fuck Off / R...

. Let's twist again (like w...

. Vamoláver sagente sentend...

. Solidariedade (Palavra à ...

. “fo(le)go” .T...

. O “bicho-troika” demonst...

. De como se auto-decapitar...

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar nesta espelunca

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds